Como institucionalizar a empresa familiar?

A cada mês, o IESE Business School, da Universidade de Navarra, na Espanha, compartilha com seus ex-alunos artigos de professores da instituição sobre o tema da sucessão.

O consultor de empresas familiares João Prates, divide conosco um desses artigos, de autoria do professor Alfonso Chiner, colaborador científico da Cátedra de Empresas Familiares do IESE.

Confira alguma das razões elencadas por Chiner:

Por que institucionalizar (profissionalizar) uma empresa familiar?

Os três aspectos da configuração institucional

Para garantir sua continuidade, uma empresa familiar necessita de estruturas e políticas internas que auxiliem na tomada de decisões, evitando assim ações movidas pelo improviso ou que dependam de alguém específico.

Assim, adotar processos que permitam a institucionalização das decisões é fundamental, em especial no que se refere ao poder, dinheiro e papeis que cada um exerce nesse sistema.

 

 

 

 

 

 

PODER

 

 

 

A família proprietária é o centro da tomada de decisões.
Ela deve definir quais poderes serão mantidos e quais serão delegados.O poder que a família empresária delega·         É fundamental que exista um compartilhamento transparente do poder entre os proprietários, o conselho consultivo e/ou o de administração e a diretoria.O poder que família empresária mantém

·         É essencial manter os proprietários formados e informados: eles devem estar preparados para tomar as decisões no meio corporativo.

·         Devem estar claras as necessidades e expectativas da família empresária.

·         É fundamental ter uma visão clara, bem articulada e compartilhada.

 

DINHEIRO ·         A empresa tem capacidade econômica financeira que assegure a sua continuidade?

·         É necessário revisar constantemente o modelo do negócio para assegurar a competitividade.

·         Reajustes podem significar reinvestimento e menos dividendos para os proprietários.

 

PAPÉIS ·         As pessoas que governam e administram os negócios da família são fundamentais em sua perpetuidade.

·         Como a família proprietária da empresa familiar pode contribuir?

·         A atribuição de funções deve ser baseada na meritocracia.

·         O único papel que não é delegável é o do proprietário (o de dono).