Constelações sistêmicas: em sintonia com o sentido da vida

“Todos nós, estamos à serviço dos que vieram antes. A fidelidade à tradição e o desejo de evoluir parecem estar em oposição, mas a visão sistêmica nos mostra como podemos honrar o que recebemos de nossos pais e ir adiante, resumiu a psicóloga e consteladora familiar Renate Muller durante o segundo encontro do Rodas de Conversa do Instituto Sucessor. “Unir estas polaridades faz com que nossa vida tenha sentido”, complementa.

Em sua explanação, na manhã de 19 de julho, Renate falou a respeito de que tudo no universo está conectado numa grande rede, onde as pessoas estão interligadas umas às outras afetando e sendo afetadas, sem que muitas vezes o percebam.

Nossos pensamentos e sentimentos nos levam a sintonizar com frequências mais baixas ou mais elevadas e a ter atitudes que possam contagiar positiva ou negativamente.

Tudo que existe ou existiu no universo tem um campo de memória que permanece pulsante e fazendo parte da rede de conexões, diz Renate.

De acordo com Bert Hellinger, conhecido por ser o pai das constelações, herdamos todas as memórias dos nossos ancestrais e fatos mal resolvidos do passado, podem estar nos influenciando, sem que tenhamos consciência disso.

Um ponto de destaque foi a explicação a respeito dos níveis de consciência – pessoal, sistêmico e universal – e as leis do amor, onde a necessidade de pertencimento nos leva a sermos fiéis à família e, inconscientemente, repetirmos dramas do passado.

A técnica da Constelação traz à luz as desordens sistêmicas, seja no âmbito familiar ou organizacional.

“Honrar essas memórias, acolhendo o passado no nosso coração, nos liberta para ir além”, ponderou Renate.

Para exemplificar e tornar mais concreto esse conhecimento, a consteladora promoveu alguns exercícios e respondeu a questionamentos dos participantes.

Rodas de Conversa

O próximo encontro do Rodas de Conversa, promovido pelo Instituto Sucessor, será no dia 16 de agosto, das 9h às 12h, no Instituto Ling.

Regina Helena Velloso, integrante da quarta geração da família Votorantim e presidente do Conselho de Família falará sobre a missão de manter valores vivos e preservar o legado de um grupo que conta com 120 integrantes.

Ingressos: Sympla ou relacionamento@sucessor.com.br com Aline Saccol.