Doçura e suavidade para encarar o desafio da vida

Com um nome longo e um pouco engraçado, o filme “A Sociedade Literária e a Torta de Casca de Batata” traz uma importante mensagem para os dias atuais.

Baseado no livro homônimo de Mary Ann Shaffer e Annie Barrows, o longa conta a história de uma escritora inglesa chamada Juliet Ashton que, no período pós-Segunda Guerra Mundial, passa por uma crise de criatividade. Porém, tudo muda após ela receber por carta o relato de um fazendeiro de como a leitura e a Sociedade Literária e a Torta de Casca de Batata o ajudaram a passar pelos difíceis dias da guerra.

Intrigada com o relato, Juliet viaja até Guernsey, a ilha na qual o fazendeiro mora, para conhecer mais sobre sua história. Lá, ela acaba encontrando muito mais do que havia planejado, criando uma identificação com os moradores locais.

Para a consultora de famílias empresárias Mônica Böhme, o filme traz uma mensagem importante. “É uma maneira de se ver o desafio da vida e encará-lo de maneira doce. Ele trata sobre como é possível a gente fazer mudanças com suavidade – mesmo em meio à uma guerra”, afirma.

Através dele, as famílias empresárias podem perceber a importância dos grupos, do convívio, da troca e da afinidade. Elementos que ajudam na reconstrução de cada indivíduo após episódios traumáticos.

A Sociedade Literária e a Torta de Casca de Batata (2018)

Classificação indicativa: 12 anos. Duração: 2h 3min.

Estrelando: Lily James, Michiel Huisman, Penelope Wilton

Disponível na Netflix.