Para ler de pés descalços

         Como você se sente ao tirar os sapatos? Estar descalço pode representar liberdade, mas também vulnerabilidade. Nessa figura de linguagem, o autor e rabino Nilton Bonder quer demonstrar o quanto estarmos calçados, ou melhor, protegidos, não nos permite conhecer o outro e a verdade. Por isso, tire os sapatos para a dica de leitura do Instituto Sucessor. 

         Gaúcho de Porto Alegre, Bonder foi convidado em 2006 a participar de um projeto do Departamento de Mediação de Conflitos da Universidade de Harvard: O Caminho de Abraão. Ao lado dele estavam 24 representantes de diversas nações e religiões. A ideia era percorrer a rota feita por Abraão, o patriarca das três religiões monoteístas – cristianismo, judaísmo e islamismo –, e apoiar a criação de uma extensa rota turística e cultural em uma região em conflito há mais de 4 mil anos.

          O resultado dessa jornada de 1,2 mil quilômetros é o livro Tirando os sapatos: O caminho de Abraão, um caminho para o outro, lançado pela editora Rocco em 2008. Bonder nos apresenta dois relatos: o primeiro é um diário de viagem, no qual registra suas impressões a respeito dos lugares em que esteve durante o trajeto e da convivência com um grupo tão plural. 

          O segundo é um relato espiritual, no qual é possível perceber como ele foi impactado pelo estranhamento e de como a trajetória feita por Abraão repercute de maneira diferente em cada uma das religiões. A empatia do rabino é sua principal amiga nessa jornada.

          Como Bonder define, o turista espiritual, também chamado de peregrino, não quer apenas visitar lugares e paisagens, ele está em busca de um novo modo de olhar. E os aprendizados são diversos: o movimento contínuo, o desfazer-se da bagagem, e tantos outros atos que carregam significados para o corpo e para alma. 

          A rota percorrida por Bonder, que iniciou-se nas ruínas de Haran, na Turquia, incluiu cidade históricas como Alepo, Damasco, Jericó, Nablus, Belém e Jerusalém, e regiões de grande riqueza natural e cultural como as colinas do Líbano, a região de Ajloun da Jordânia e o deserto de Grajev, em Israel. No trajeto, encontram-se alguns dos locais mais sagrados do mundo. O ponto alto é a cidade de Hebron/Al Khalil, local do túmulo de Abraão. 

         Atualmente, o Abraham Path Initiative está em atividade. Desde 2006, mais de 80 mil peregrinos percorreram esse caminho em busca desse novo olhar, do contato com outras culturas e do enriquecimento da sua alma. Uma jornada que você também pode fazer, ao lado de Bonder, pelas páginas do livro. 

 

Tirando os sapatos: O caminho de Abraão, um caminho para o outro está disponível nas principais livrarias do Brasil e também na versão e-book.

Saiba mais em www.abrahampath.org.